terça-feira, 9 de outubro de 2012

Pare de odiar seu trabalho em cinco passos * Infomoney.

Especialista em carreira conta como mudar a percepção que o trabalho e frustração andam sempre juntos. Será possível?
Infelizmente nem todos conseguem o emprego dos sonhos. Em alguns momentos, muitos profissionais se sentem presos e infelizes no trabalho que não consideram o ideal de carreira. No entanto, é impensável deixá-lo em busca de um emprego que poderá não chegar tão cedo.
Diante desses fatos, a solução é investir no presente. Mas como? Embora possa parecer impossível levantar disposto e feliz para trabalhar, a FoxBusiness publicou algumas dicas do autor dos livros “Happiness at Work” e “Are You Ready to Succeed? Unconventional Strategies to Achieving Personal Mastery in Business and Life”, Dr. Srikumar S. Rao.
Os cursos de Rao, sobre mudar a concepção que o trabalho e frustração andam lado a lado, tornaram-se muito populares entre MBAs que ensinam como ser felizes nos negócios e na vida. Confira a seguir essas valiosas dicas:

1. Foque no processo, em vez do resultado

Rao diz que em qualquer realização, o enfoque tem de estar sempre no processo. “Trabalhe em direção a um objetivo, mas pare de se preocupara com os resultados. Eles são além de seu controle, de qualquer maneira. Invista e curta o processo e apenas aceite o resultado, independente qual for, com uma posição positiva. Se for ruim, avalie o que errou para não cometer novamente”.

2. Perceba que a paixão vem de você e não de seu trabalho

“Aqui vai uma verdade imutável para refletir: paixão não vem do trabalho. Ela existe em você e se não puder acendê-la dentro de si mesmo nesse momento, e não pensando apenas no futuro, você nunca vai encontrá-la”, ressalta Rao.
Então, tenha pensamento positivo e não apenas reclame de como sua vida está difícil naquele emprego. Aproveite o que você está fazendo agora, seja mais maleável com seus colegas de trabalho e aceite melhor suas funções.

3. Pare de rotular tudo como “bom” ou “ruim”

Seguindo a regra acima, tente sempre pensar de maneira positiva suas atividades. Pois, todos os afazeres que você classificar como “ruim” continuarão ocorrendo normalmente, goste ou não. Atribuir um pensamento negativo em algo não mudará o fato de que você irá continuar a realizá-lo e só trará mais desgaste emocional e estresse.

4. Perceba que você está desempenhando um papel

Não importa qual cargo você tenha, seja estagiário ou CEO, pense nele como um papel que você precisa atuar. Essa dica se destina principalmente para profissionais que se sentem presos em seus trabalhos.
“Quando você pensa que está apenas jogando, você se liberta por reconhecer que está apenas desempenhando um papel que tomou para si e mudar seu foco para quem você é realmente”, sugere Rao.

5. Saiba deixar ir embora

Como os bebês, viva o presente e deixe as emoções irem embora. “As crianças sabem deixar os problemas para trás. Quando estão com raiva ou triste elas choram e em pouco tempo depois, um brinquedo já as distraem. Elas não carregam suas dores para si e cada coisa que acontece é algo novo a ser experimentado no momento”.
No trabalho, muitas pessoas têm experiências passadas com um cliente ou colega desagradável e não conseguem esquecer disso, permitindo que o passado manche o presente. Ao invés de começar uma relação esperando que a pessoa irá te fazer mal, deixe o tempo mostrar o que virá disso.

Fonte: http://www.administradores.com.br/informe-se/carreira-e-rh/pare-de-odiar-seu-trabalho-em-cinco-passos/63339/

2 comentários:

  1. Muito boas as sugestões apresentadas. Parabénss

    ResponderExcluir
  2. Também gostei muito dessas dicas. O que é bom precisa ser compartilhado!

    Volte sempre por aqui!

    Abraços

    ResponderExcluir

Seja bem vindo (a) ao Blog do Sr. Gentileza - 06 anos no ar!

Aqui também é casa de gente gentil. Leia, acompanhe, participe e deixe suas mensagens :-)

Sinta-se à vontade em compartilhar a prática da Gentileza na sua vida, no trabalho e na sociedade.

Abraços,

Sr. Gentileza

Obs: Suas mensagens são muito bem vindas, mas identifique-se. Os comentários anônimos não serão aceitos.