quinta-feira, 20 de maio de 2010

Desafios X Dificuldades

Como superar os obstáculos que aparecem em nossas vidas sem nos abatermos e querermos desistir? Como não nos entregarmos à apatia sem acharmos que tudo acontece com a gente? Essas questões nos remetem à cruel conclusão de que somos impotentes e que sempre existirão pessoas que farão de tudo para nos boicotar, nos sentirmos deprimidos e não conseguimos relaxar. As dificuldades surgem sem dar sinais de sua eminência. Percorrem os caminhos à velocidade da luz e insistem em nos provar e testar constantemente. Porém, ninguém em sã consciência quer passar por isso. Ninguém deseja o mal para si, muito menos exasperar a derrota.
Vamos refletir então e achar a moral da história (se é que ela existe). Primeira coisa a ser feita: não confundir Desafios com Dificuldades. Os desafios nos impulsionam a fazer mais alguma coisa e atingirmos nossas metas; eles nos impulsionam, nos revigoram e injetam o “gás” necessário para seguirmos em frente. Na verdade, nos motivam e são uma espécie de mola propulsora para o sucesso. E estamos, diariamente, nos desafiando, mas sempre conseguimos enxergá-lo como necessário.
As dificuldades executam e exterminam as “moléculas-da-vitalidade”. São como uma esponja a sugar as energias vitais que toda pessoa empreendedora precisa. Ao contrário dos desafios, as dificuldades empurram em direção descontinuada e facilitam a queda na beira do precipício.
Diante do conhecimento desses dois conceitos podemos iniciar a segunda fase que é a de transformação ou conversão dos valores. Existe um ditado (desconheço o autor) que diz: “O que não me destrói, me fortalece”. É importante lutarmos contra o sentimento de derrota e transformar as intempéries em força para lutar. A lei da selva nos exige sem cessar a recarga automática das energias e garantir nossa sobrevivência.
A concorrência é saudável, os obstáculos existem e sempre farão parte de um todo. O universo funciona como uma engrenagem e nenhuma das peças pode falhar. Uma depende da outra e estão intrinsecamente ligadas. Um elo com defeito compromete e pode corromper todo o sistema.
Realmente, nossas cabeças são como uma máquina de relógio. Tudo deve funcionar com perfeição para evitarmos a pane. As empresas nos consomem, nos exigem e devemos estar de prontidão para atender suas necessidades.

A vida não para e não podemos permitir a inércia. Terceira fase: máquina é máquina e ser humano é ser humano.


Luiz Gabriel Tiago
twitter.com/senhorgentileza

2 comentários:

  1. Sr. Luiz Gabriel Tiago, tenho de discordar com relação à exposição dos conceitos de desafio e dificuldade. Primeiro, não há nada de impulsionador no conceito de desafio em si. O desafio é apenas um convite à disputa. Enfrentá-lo ou não é uma escolha que não surge em razão do desafio. E as dificuldades também não pussuem inerentemente qualquer capacidade de "executar e exterminar moléculas-da-vitalidade". Dificuldade é empecilho apenas. Ou seja, enfrentar um desafio ou superar uma dificuldade que se apresente, é um ato volitivo. Que deve ser sempre estimulado. É a minha opinião.

    ResponderExcluir
  2. Olá Raí,

    Muito obrigado por sua visita ao Blog e comentário.

    Realmente temos algumas discordâncias, mas suas observações serão sempre bem vindas.

    Vou refletir sobre o que escreveu.

    Abraços e Boas Festas!

    ResponderExcluir

Seja bem vindo (a) ao Blog do Sr. Gentileza - 06 anos no ar!

Aqui também é casa de gente gentil. Leia, acompanhe, participe e deixe suas mensagens :-)

Sinta-se à vontade em compartilhar a prática da Gentileza na sua vida, no trabalho e na sociedade.

Abraços,

Sr. Gentileza

Obs: Suas mensagens são muito bem vindas, mas identifique-se. Os comentários anônimos não serão aceitos.